Tivemos um aumento em várias mercadorias de diferentes segmentos este ano e agora teremos em mais alguns produtos que são produzidos com espuma. Além do aumento no preço, que triplicou no período de 12 meses e isso reflete rapidamente aqui no Brasil, existe a preocupação de que a matéria-prima venha a faltar. Para se ter ideia do nível de incerteza, apenas dia 12 de outubro, a cotação do TDI na China subiu 20%, sendo que novos aumentos são esperados no curtíssimo prazo. Esta situação fatalmente vai ter forte impacto nos preços de colchões. “O repasse para o preço final do produto será inevitável”. 

O comunicado oficial da empresa fala da “interrupção inesperada” da produção de um fornecedor de ácido nítrico, o que fez com que a fábrica da Covestro na Alemanha, que produz 300 mil toneladas/ano de TDI, passasse a operar com capacidade reduzida. Um complicador é que o Brasil hoje é totalmente dependente de distribuidores. “Desde o fechamento da fábrica da Dow, em 2012, não temos mais produção interna”.

Explosão no complexo da Basf na Alemanha
O temor da falta de TDI levou o mercado a especular que a explosão ocorrida no complexo da Basf, na Alemanha, teria comprometido a produção de TDI. Ainda de acordo com a nota, “o incêndio teve como causa uma explosão durante os trabalhos em um gasoduto, o que ocasionou a queima de etileno e propileno, materiais base para a produção de soluções químicas”. Porém, o etileno e o propileno não são utilizados na produção de TDI.

Estimasse que o aumento em colchões e de mais produtos que utilizem espuma suba entre 5% a 20% só neste ano.

Então se você esta pensando em comprar um colchão aproveite agora, pois o aumento será inevitável.