Tornou-se raro encontrar crianças brincando com brinquedos de verdade. Pesquisas recentes mostram que hoje 47% das crianças gastam mais de três horas por dia com atividades que envolvem tecnologia digital e a internet (Fonte: Revista Crescer). Não é difícil encontrarmos pais aliviados pelo sossego dos filhos quando colocam em suas mãos um tablete com desenhos interativos durante a refeição. Só assim, as mães conseguem driblar a dificuldade de alimentar seus filhos sem que aja maiores dificuldades.

Refletindo no assunto, dá-nos a impressão de que quando uma criança está de posse de um smartphone ou tablete, seus estímulos impulsivos de agitação e impaciência são transformados em uma calmaria, aliviando o stress de seus cuidadores.

Sabemos da importância da tecnologia e da necessidade de manter-nos atualizados a seus avanços. Mas cabe a cada educador mensurar o tipo de tecnologia, as informações contidas, o valor agregado na educação da criança, o tempo gasto com esta interatividade e a real necessidade destes recursos, avaliando a etapa da vida / idade em que se está.

O fato é que, no passado, esta inovação toda não existia. Criança brincava de verdade e se você questionar um grupo de pessoas com mais de 20 anos sobre a falta que estes recursos tecnológicos lhe fizeram, provavelmente terá uma resposta unânime: nenhuma falta.

A indústria infantil ainda tem investido em brinquedos que concorrem para uma educação eficiente. Brincar de verdade estimula o aprendizado, melhora a coordenação motora, estimula a imaginação e a criatividade, desenvolve o emocional da criança e possibilita a interatividade com colegas reais.

Brinquedos pedagógicos para bebês, trazem a iniciação das cores, das formas, dos sons. Para crianças acima de um ano é indicado brinquedos que introduzam a rotina da vida, como bancadas educativas de profissões: bancada de trabalho, lanchonetes, minimercados, mecânicos, dentre outros.  Para esta idade, a brincadeira no parque, ao ar livre também é muito importante. Você pode fazer uso de carrinhos de passeio e triciclos. Este tipo de brinquedo trabalha muito a coordenação motora, e proporcionam estímulos visuais de interatividade com o ambiente em que está (como a natureza, por exemplo).

Para as crianças maiores de três anos, carrinhos elétricos dão graça a uma tecnologia menos evasiva. São vários os modelos encontrados, desde carros antigos, até os mais modernos conversíveis. As meninas podem desfrutar de penteadeiras cor de rosa e dedicar-se as bonecas. Não podemos nos esquecer dos patinetes, alguns emitem sons e luzes divertidas, capazes de entreter os pequenos por muito tempo.

Casinhas de polipropileno ajudam no estimulo da criatividade. As crianças conduzem suas próprias histórias e podem interagir com outras crianças. Jogos de mesas com cadeiras no tamanho ideal para crianças são uma ótima ideia para se trabalhar a leitura, a pintura e a escrita.

Para as crianças acima de seis anos, nada melhor do que correr, jogar bola, pular corda, amarelinha, brincar de esconde-esconde e patinar, com um kit de patins completo com acessórios de segurança.

As ideias são muitas, mas o mais importante é promover estas brincadeiras de forma saudável sem a interferência dos conteúdos e informações das tecnologias digitais. Tudo no seu tempo, haverá a hora em que os smartphones serão necessários. Mas enquanto pudermos proporcionar brinquedos e brincadeiras “de verdade” para nossas crianças, com certeza suas memórias ficarão impactadas de boas instruções e boas recordações.

Conheça um pouco mais sobre a BV Magazine, Clique aqui. Mantenha-se sempre bem informado assinando gratuitamente nossa newsletter para receber a atualização de conteúdo.